02/08/12

ATÉ JÁ!

Caríssimos leitores, chegou a minha hora.
Entrarei a partir de amanhã num período de férias, este ano um pouco mais longo do que é habitual. Regressarei apenas em Setembro, já com o Campeonato em vivo andamento, e às portas da Fase de Grupos da Champions League.
Sendo único editor deste espaço, o mesmo terá de encerrar – a menos que alguém se candidate para o ir actualizando…
Espero que este período traga boas notícias. Vitórias nos primeiros jogos oficiais (se possível, acompanhadas de perda de pontos dos principais adversários), manutenção no plantel de figuras como Witsel e Cardozo (admito a saída de Gaitán), contratação de um lateral-esquerdo de raiz, para ser titular indiscutível da equipa, e um bom grupo nas sortes da Europa.
Veremos o que se passa.
Até lá, boas férias, ou bom trabalho, conforme os casos.

MESTRE NA DISCIPLINA


Não é o 155º golo de Cardozo com a camisola do Benfica que domina as discussões. É antes uma reprimenda de Jorge Jesus a Ola John, feita aos olhos de todos, no final da partida.
Se há virtude absolutamente intocável no técnico encarnado, é a de disciplinador. Pode dizer-se que é arrogante, que inventa tacticamente, que despreza o momento defensivo, que esgota fisicamente os jogadores, mas ninguém pode dizer que Jesus não sabe como liderar um grupo de trabalho. Nos últimos trinta anos, não me recordo de um fase com tão poucos casos de indisciplina no plantel benfiquista como desde que Jorge Jesus chegou. Diria mesmo que essa é a sua principal mais-valia – que também se reflecte no rendimento dos atletas, na sua disponibilidade, e consequentemente no futebol apresentado. Neste aspecto, sim. É mestre!
Não o queiram pois ensinar como se lida com jogadores de futebol, muitos deles ricos e mimados (como dizia um certo senhor), e sem fazer corresponder a sua vida profissional e privada ao grau de responsabilidade que altíssimos salários lhes conferem. Ninguém sabe que instruções deu o treinador ao jogador antes do jogo, ou nos treinos prévios. Ninguém sabe de que forma (mais ou menos ostensiva, mais ou menos desleixada) ele as incumpriu. Neste, como em muitos outros casos, não falta quem fale de cor.
Ola John, ele sim, começa a ser um caso neste Benfica. Obviamente ainda é cedo para conclusões definitivas, mas cheira demasiado a… Balboa. Não lhe vi ainda absolutamente nada de positivo (nem técnica, nem velocidade, nem remate, nem cruzamento, nem sentido colectivo). Não tivesse custado oito milhões de euros, e estaria seguramente na primeira linha dos jogadores a dispensar.
Como atenuantes tem o factor idade, e também o facto de ser proveniente de um país e de um futebol onde as liberdades são bastantes diferentes das nossas. Por acaso irei à Holanda durante o mês de Agosto, e prometo tentar informar-me sobre as qualidades que justificaram tão elevado investimento. Mas lá que começo a temer um enorme fracasso, lá isso…
Quanto à partida (que os Jogos Olímpicos não me deixaram ver na totalidade), as indicações pareceram-me genericamente positivas, ainda que a Juventus – à semelhança do Real Madrid – se apresentasse bastante desfalcada, e com menos tempo de preparação.
No sábado, novo teste. Agora com o Fortuna Dusseldorf. Será o último jogo antes de se iniciar o Campeonato.