11/03/14

AO RUBRO

A jornada deste fim-de-semana pode dizer muito acerca do futuro do Campeonato. Estamos na frente, e os dois principais perseguidores jogam entre si em Alvalade. Pelo menos um deles perderá pontos, mas isso só nos trará benefícios se vencermos a difícil batalha da Choupana. Difícil por várias razões: - Antes de mais, pelo valor do adversário, que é, indiscutivelmente, uma das melhores equipas da Liga, orientada por um técnico que, desde há largos anos, mantém uma certa rivalidade com o nosso; - A deslocação envolve uma sempre desgastante viagem de avião, tão só algumas horas depois de uma outra; - O estádio do Nacional é tradicionalmente difícil, quer pelas dimensões, quer pela altitude, quer pelo clima, e ainda na temporada passada lá deixámos dois pontos; - Não contaremos com Fejsa, elemento chave no meio-campo encarnado; - O jogo surge entalado a meio de uma muito exigente eliminatória europeia, e sabemos bem o quanto isso normalmente pesa nas pernas… e na cabeça, de alguns jogadores; - A vantagem pontual obtida nas anteriores jornadas é susceptível de causar algum deslumbramento; - Last but not least, veremos quem é, e como se comporta, o árbitro de uma tão importante partida. Se conseguirmos ultrapassar todos estes circunstancialismos, vencermos o Nacional, e, paralelamente, tivermos boas notícias de Alvalade (um empate?), não ficando o Campeonato desde logo resolvido, as contas do mesmo ficarão muito bem encaminhadas, e a vantagem pontual permitirá até algum risco, com vista a uma aposta forte nas outras provas que ainda disputamos. Ao invés, um resultado negativo na Choupana pode deixar-nos novamente à mercê do segundo classificado, sabendo-se que ainda temos deslocações a Braga e ao Porto, entre outros difíceis compromissos. Os dramas do ano passado ainda estão bem presentes na nossa memória. Só com o pássaro na mão poderemos cantar vitória. Mas é de jornadas com esta que a decisão final se alimenta. E isso terá de estar na mente de todos aqueles que entrarem em campo.

PARA ALÉM DO FUTEBOL

As modalidades do Benfica estão bem e recomendam-se. Decorrida parte significativa das temporadas regulares, todas elas se mantêm firmes na luta pelo topo das respectivas classificações, exibindo uma impressionante percentagem de vitórias (86%). A título de exemplo, e servindo de referência, poderemos aferir que a percentagem de triunfos no Futebol – também ele, como sabemos, a fazer uma excelente época – anda pelos 77%. Acresce que, quer Voleibol, quer Basquetebol, quer Atletismo, quer, sobretudo, Hóquei em Patins, já conquistaram troféus em 20013-2014. Certamente não serão os únicos, nem os últimos. Voleibol e Basquetebol são, de resto, aqueles que apresentam números mais significativos: além de liderarem, isolados os seus campeonatos (confirmando o favoritismo), somam, em conjunto, 48 vitórias em 51 partidas oficiais realizadas. O Hóquei, por seu lado, venceu dois importantes troféus internacionais, sagrando-se Campeão do Mundo. Enfrentou algumas dificuldades intra-muros, mas conseguiu manter as portas abertas para o título. Também na Euroliga tem dado cartas, vencendo facilmente o seu grupo, e tendo todas as possibilidades de chegar novamente à “Final-Four” da competição. O Andebol está apenas a um ponto do 1º lugar, à entrada para a segunda, e decisiva, fase do campeonato. É altura de mostrar a raça benfiquista, e recuperar um título que nos escapa desde 2008. Já o Futsal tem tido os altos e baixos que seriam de esperar numa temporada de transição, em que saíram e entraram vários jogadores. Tudo se decidirá no Play-Off, momento em que, certamente com a máquina já bem oleada, os encarnados estarão na luta pelo triunfo. Se, além de tudo isto, acrescentarmos que o nosso clube ainda se mantém em todas as cinco Taças de Portugal em questão, que o Atletismo já venceu Estrada e Pista Coberta, e que nos sectores feminino e de formação todas as ambições são ainda legítimas, podemos ter esperança numa grande temporada à Benfica, seja nos relvados, nos pavilhões, ou nas pistas.

PÉS NO CHÃO

Nenhum benfiquista esquecerá tão cedo aquele terrível mês de Maio de 2013, no qual, em poucos dias, perdemos tudo aquilo que ambicionávamos vencer, e que o futebol praticado pela equipa bem fizera por merecer. Na altura, bastava-nos ganhar na Luz às duas equipas provenientes do segundo escalão (Estoril e Moreirense), para matematicamente selar o título. Estávamos, vinte e três anos depois, numa final europeia. Estávamos, oito anos depois, numa final da Taça, para a qual éramos unanimemente considerados favoritos. Perdemos tudo. Com esta memória ainda bem viva, não serão certamente os cinco pontos de vantagem (cinco, e não sete…), a dez longas jornadas do fim do Campeonato (envolvendo deslocações à Choupana, a Braga e ao Dragão, por exemplo), que nos irão tirar o discernimento, ou fazer embandeirar em arco. Depois dos traumas da temporada anterior, só mesmo a matemática nos fará festejar. Até lá, há que manter a concentração, a união em torno da equipa e de todos os que a rodeiam, e a noção bem clara de que, em cada jogo, em cada treino, em cada disputa de bola, estará a chave que pode abrir as portas ao nosso sonho. O Benfica tem a melhor equipa? Claro que tem, tal como na época passada já tivera. O Benfica pratica o melhor futebol? Claro que pratica, tal como na época passada praticara. O Benfica merece ser campeão? Claro que merece, tal como na época passada merecera. Porém, todas estas evidências não valerão absolutamente nada se, à 30ª jornada, no dia 11 de Maio, não tivermos mais pontos que qualquer outra equipa na tabela classificativa. No Restelo, temos a primeira das dez finais ainda por disputar. Daqui em diante, a pressão vai crescer, o empolgamento dos adversários também, havendo que contar com as habituais influências externas - que sempre se fazem sentir nos momentos mais críticos. Teremos de estar preparados para tudo. O combate por este título é demasiado importante para permitir desatenções. Com confiança, mas sem triunfalismos: Todos por um! Todos pelo título!

ESCOLHAS

Não existem muitos clubes na Europa que, nesta altura da temporada, mantenham ambições em quatro frentes distintas. Ocorrem-me apenas Manchester City e FC Porto, sendo que nenhum deles lidera o respectivo campeonato. O Benfica, não só comanda o campeonato, como está presente nas meias-finais de Taça de Portugal e Taça da Liga, e ainda alimenta esperanças na Liga Europa. Isto constitui motivo de orgulho para todos nós, mas traz ao treinador um desafio suplementar: como gerir o plantel mantendo idêntico grau de competitividade em todas as partidas até final da época? É preciso lembrar alguns dos motivos que levaram o Benfica a perder os dois últimos campeonatos. Em 2011-12 tivemos razões de queixa da arbitragem, mas não foi por acaso que perdemos oito pontos entre os dois jogos da eliminatória com o Zenit, e perdemos mais cinco nas imediações do confronto com o Chelsea. Em 2012-13, entre a 2ª mão da meia-final com o Fenerbahce, e a final com o Chelsea, disputámos dois jogos intramuros, com Estoril e FC Porto, e com os resultados que ainda ninguém terá conseguido esquecer. Estes dados parecem suficientes para estabelecer um padrão. As boas caminhadas internacionais têm um preço bastante elevado em termos domésticos, e se o Benfica chegou ao sexto lugar do ranking da UEFA, há que dizer que o conseguiu à custa de derrapagens comprometedores na principal competição nacional. Noutras circunstâncias poderia até nem ser assim, mas neste momento penso que todas as energias devem estar concentradas num campeonato que não nos pode escapar. Deste modo, creio que a Liga Europa, pelo desgaste físico e emocional que acarreta, terá de ser disputada com ambições moderadas. André Almeida, Jardel, Sílvio, Sulejmani, Djuricic, Ivan Cavaleiro, Ruben Amorim ou André Gomes, são jogadores que dão garantias, merecem um palco digno, e deixarão tudo em campo a cada ronda europeia a que tivermos a felicidade de chegar. Às quintas-feiras jogamos o orgulho, mas aos domingos teremos de jogar a vida.

OS MEIOS E OS FINS

O futebol de Formação é um tema querido à generalidade dos benfiquistas. Estamos a falar de jovens, na sua maioria portugueses, que vivem o clube intensamente, e sonham vestir o Manto Sagrado nos principais palcos do futebol nacional e internacional. A paixão do seu sonho entrecruza-se com a própria paixão do adepto, o que estimula a nossa mais viva simpatia. Porém, independentemente dos votos de sucesso que façamos para as suas carreiras, importa sobretudo saber de que forma podem, ou devem, estes jovens alimentar a equipa principal. Ou seja, qual a estratégia capaz de maximizar resultados – em primeiro lugar desportivos, e depois financeiros (sendo que estes são função daqueles). Neste âmbito, há algo que nunca podemos perder de vista: o objectivo do Benfica é “apenas” conquistar títulos. Se, para isso, a Formação contribuir com alguns atletas, tanto melhor. Caso contrário, não podemos subverter prioridades, nem deixar de ser competitivos em função de qualquer idealismo ou utopia. Convém também lembrar que, desde os tempos de Rui Costa, não mais vimos qualquer produto das escolas encarnadas como titular indiscutível na equipa principal; e que, à excepção do Barcelona (cujo sumptuoso orçamento permite manter todas as estrelas que fabrica), não existe outro exemplo europeu de sucesso na correlação entre Formação e títulos ao mais alto nível. Até porque, por mais qualificado que seja trabalho desenvolvido nesta área, não havendo talentos… nada feito – e, há que o dizer também, a árvore do futebol português vive uma fase de muito poucos frutos. O futuro próximo, e as limitações financeiras que ameaçam todos os clubes, podem ditar a necessidade de uma aposta crescente na Formação, em detrimento do investimento exterior. Devemos, pois, estar preparados para enfrentar essa realidade. De resto, com essas ou outras imposições de contexto, jogue Markovic ou André Gomes, o que me interessa é que o Benfica seja campeão, e tenha a melhor equipa que as suas possibilidades permitam.

UM DÉRBI, DUAS DÚVIDAS

Domingo é dia de “Dérbi” lisboeta, e, à tradicional interrogação que a ocasião sempre colocou – quem irá vencer? -, os últimos anos têm trazido uma outra, capaz de despertar quase tanta curiosidade como o próprio resultado do jogo: que queixas irá o Sporting trazer em caso de derrota? Na verdade, nos tempos mais recentes, sendo difícil encontrarmos uma vitória do Sporting sobre o Benfica, é quase tão difícil recordarmos uma derrota leonina sem um consequente desfilar de acusações relativas à arbitragem, e a todos os aspectos paralelos que possam de algum modo servir de cortina de fumo, e impedir a atribuição de qualquer dose de mérito ao odiado rival. Por mais insignificante que seja, lá encontram sempre um motivo. De uma gota de água (que tanto pode ser um lançamento lateral com um piton milimetricamente acima da relva, como um relógio dois minutos atrasado, ou um alegado penálti que nem à sétima repetição televisiva parece claro), fazem uma tempestade, contando para isso com um alinhado exército de comentadores televisivos, e com a complacência de redacções simpáticas – que conferem ao Sporting um peso mediático que vai muito para além da sua real dimensão social. Não sei o que sucederia no país desportivo se, um dia, o Sporting perdesse um campeonato com um golo tão irregular como o que Maicon apontou na Luz há dois anos atrás. Ou sofresse, em jogo decisivo, um pénalti em lance idêntico ao de Yebda e Lisandro Lopez, em 2009 - ambas as situações tendo Pedro Proença como protagonista. Por muito menos, já vimos reacções absolutamente esquizofrénicas vindas dos lados de Alvalade. Bom seria que tão ruidoso folclore voltasse a animar jornais e televisões, pois seria sinal de estarmos perante mais uma vitória do Benfica, e correspondente azia sportinguista. O fim-de-semana passado foi muito duro. Mas nada como o velho “Dérbi” (e, já agora, com uma arbitragem melhorzinha que a da primeira volta) para resgatar o orgulho ferido por um maldito penálti desperdiçado aos 94 minutos.

RESISTIR

Estamos a 31 de Janeiro, e até às doze badaladas da meia-noite, a angústia ocupará os nossos espíritos. Alguém deixará o plantel? Como ficará a equipa? Como ficarão os adversários? Quem sairá mais enfraquecido desta espécie de roleta de Inverno? E a Turquia? E a Rússia? E os árabes? Ainda estarão abertos a negócios? Até quando? Porquê? Não me recordo de quem partiu a infeliz ideia de abrir o mercado de transferências de jogadores em plena competição. Mas partiu, seguramente, de alguém que gostava pouco de futebol. Se o calendário de Verão já oferece muitas dúvidas (sobretudo pelo seu encerramento tardio), esta “janela” de Janeiro é uma verdadeira monstruosidade. Porém, ela existe, pelo menos até ao dia em que, para além de recolher os ovos de ouro, os agentes interessados se lembrem também de cuidar da galinha que os põe. Entretanto, e com o entusiástico suporte da comunicação social, assistimos, durante semanas a fio, a uma hemorragia noticiosa – coberta de falsidades, pressões, interesses, e jogadas de bastidores típicas desta espécie de off-shore global em que se transformou o mundo da bola - que deixa as equipas expostas à incerteza, quando não a vulnerabilidades desportivas inesperadas, justamente na fase da temporada em que a estabilidade tem um preço mais elevado. É injusto pedir a qualquer treinador que forme um conjunto, mantenha automatismos, e incremente uma dinâmica ganhadora, quando, num ápice, em momento chave, vê sair porta fora alguns dos mais valiosos elementos da sua equipa. E, pior que isso, vê outros permanecer contrariados, perante o aceno de agentes parasitários, para quem o futebol se tornou terreno fértil para dinheiro fácil. Poucos estão a salvo. Apenas os financeiramente mais poderosos, sendo aqui o futebol uma perfeita metáfora da própria vida. Situado num país periférico, o Benfica não escapa a estas ameaças. É forçado a enfrentá-las, e por vezes a ceder-lhes. Que a meia-noite chegue depressa. Que o mercado feche a porta. Que o futebol resista.