20/05/14

LIMPEZA

Um árbitro particularmente tendencioso, e um guarda-redes particularmente inspirado, impediram o Benfica de alcançar a glória europeia que tanto fez por merecer. Turim não nos trouxe felicidade, mas é preciso dizer que não nos feriu o orgulho. Quem chega a uma grande final jamais sai derrotado. São necessárias muitas alegrias para passar por uma tristeza assim. Tantas quantas as eliminatórias vencidas, algumas com o perfume de grandeza que nos define perante a história. A desolação é maior pela força do hábito. São já alguns anos a cheirar o troféu. Duas finais consecutivas, ambas perdidas por detalhes. Uma meia-final inglória, também. Tudo em apenas quatro temporadas. Pode falar-se de azar. Pode falar-se de desencanto. Até de maldições. Nunca de fracasso. Antes de força. A força que nos fez lá chegar, e que nos faz acreditar que podemos lá voltar. Tivemos pouco tempo para carpir mágoas. No domingo seguinte, no belo palco do Jamor, os nossos heróis voltaram aos triunfos, derrotando o cansaço, e arrecadando um inédito triplete. Uma, duas, três! Não só foi limpinho, como foi…uma limpeza. Deixámos poucos argumentos à oposição. Ainda assim, com a sua inesgotável criatividade, lá conseguiram apregoar que o Benfica tinha obrigação de vencer o Rio Ave e erguer a Taça; que o orçamento o obrigava desde logo a ser campeão; que a Taça da Liga não interessava nada; que a Liga Europa, essa sim, desenhava a fronteira do sucesso; que o objectivo era a final da Champions League; tudo isto até à espantosa conclusão de que a época benfiquista nem tinha sido nada de especial. Talvez mesmo um pouco decepcionante - ou qualquer que seja a palavra que a imaginação quiser utilizar. Veja-se até onde a inveja os leva. Veja-se o quanto ela nos pode divertir. Vozes que não chegam ao céu à parte, importa agora que façamos deste um ponto de partida, e não de chegada. “Para o ano há mais”, foi o último grito que se ouviu nas bancadas do Jamor. É esse que nos deve ficar no ouvido. 2014-2015 começa já.

HÁ FESTA NO JAMOR

Termina este domingo uma das temporadas futebolísticas mais empolgantes da história centenária do Sport Lisboa e Benfica. Independentemente do que possa ter sucedido em Turim (escrevo, carregado de ansiedade, antes de o saber), o Benfica entrará em campo, no Jamor, com a possibilidade de alcançar uma inédita “tripleta” de competições nacionais – Campeonato Nacional, Taça de Portugal e Taça da Liga -, à qual juntará, no mínimo, uma honrosa presença em final europeia pelo segundo ano consecutivo; e no máximo, a primeira Liga Europa do seu historial. Caso, como espero e desejo ardentemente, estas duas conquistas se concretizem, então estaremos a falar da melhor época de todos os tempos. Sim! De todos os tempos! No momento em que escrevo, as expectativas benfiquistas situam-se, pois, entre o muito bom (dois troféus, entre eles a prioridade número um), o excelente (três troféus), e o esplendoroso (poker de taças, com possibilidade de lhes juntar mais duas já em Agosto, e assim tocar nos céus). Neste contexto, a Final do Jamor é a ocasião magna para prestarmos tributo a uma fantástica equipa de futebol, que já na temporada anterior nos havia feito sonhar, e agora concretizou (pelo menos em parte, acredito que na totalidade) esses sonhos. A tradição que envolve esta prova, o seu belíssimo palco, e o facto de a mesma encerrar a época (a nível de clubes), são condimentos para um dia de festa, de fervor clubista, e, creio, também de absoluta glória. Nunca, nos meus 44 anos de vida, senti um Benfica tão forte e tão pujante em todas as suas vertentes. Falo de futebol, mas falo também de veículos de comunicação, de infra-estruturas, de formação, de eclectismo, de modernização empresarial e administrativa, de associativismo, de prestígio nacional e internacional, de respeito pela história… enfim, de tudo. Estamos num plano elevadíssimo, e é nele que gostamos de estar. Mas tenho a certeza que aqueles que nos conduziram até aqui, não vão querer parar. O céu é o limite. Vamos a isso!

09/05/14

O JOGO DA NOSSA VIDA

Não cheguei a tempo de ver Eusébio, Coluna ou José Águas. Nem a minha, nem as gerações posteriores – nem mesmo as imediatamente anteriores – viram o Benfica erguer um troféu europeu, excepto em fotografias ou vídeos, quase sempre a preto e branco. Recordo, sim, o amargo empate caseiro com o Anderlecht em 1983. Recordo, também, o fatídico penálti de Veloso, e as lágrimas incontidas em 1988. Recordo, ainda, o super-Milan de 1990, e o golo de Rijkaard que nos liquidou a esperança. Tenho bem presente o terrível Maio de 2013, que por enquanto ainda me vai atormentando a alma. De finais perdidas, penso já ter a minha conta. Na próxima quarta-feira, em Turim, o Benfica tem nova hipótese de desafiar a história, e de enterrar velhos fantasmas. Acredito que não seja a última. Mas esta tem a singularidade de nos fazer acompanhar de algum favoritismo. Ou, dito de outro modo, de participar numa final europeia, não para a jogar, mas sim para a ganhar. Ninguém pense, todavia, que as favas estão contadas, e os noventa minutos se resumem a uma formalidade prévia à entrega da taça. Lamento, mas é preciso lembrar que podemos perder. Trata-se de um jogo, contra uma excelente equipa, formatada à medida de uma das mais competitivas ligas do mundo, transportando um sonho igualzinho ao nosso. Também eles ficaram felizes ao ver a toda-poderosa Juventus eliminada da “sua” final. Também eles estarão optimistas. E, já agora, foram eles que venceram este mesmo troféu em 2006 e 2007. Tenho a certeza que os nossos profissionais estão despertos para toda a envolvência competitiva e emocional da ocasião. Sabem aquilo que ela representa, quer para eles, quer para o universo benfiquista. Conhecem os seus limites e as suas potencialidades. Precisamos também que a sorte - que tão mal nos tratou há um ano atrás - queira, desta vez, recompensar-nos com a dose que sempre alimenta os campeões. Se tal acontecer, far-se-á história. E 14 de Maio de 2014 será então o dia pelo qual esperámos uma vida inteira.