27/01/15

MURRO NO ESTÔMAGO


Os cerca de quarenta anos que levo a ver futebol ensinaram-me uma máxima, segundo a qual, uma grande equipa pode perder jogos decisivos contra outra grande equipa, uma grande equipa pode até perder jogos não decisivos contra equipas menores, mas uma grande equipa jamais poderá perder jogos decisivos contra equipas que não são da sua igualha. Na Mata Real, o Benfica – que nas semanas anteriores havia justificado o epíteto de “grande equipa” – falhou na resposta a essa equação.
As pessoas ligadas directamente futebol (jogadores, treinadores, dirigentes, etc) encontrarão explicações para este tipo de acontecimento. Muitas dessas explicações resumem-se à simples e batida frase “é futebol”. Para o adepto comum, mesmo o mais atento (como, perdoem-me a imodéstia, creio ser o meu caso), as coisas não são assim tão fáceis de entender. E muito menos de digerir.
Em Paços de Ferreira, a nossa equipa desperdiçou uma oportunidade soberana para quase colocar uma pedra sobre este importantíssimo campeonato. Não o fez, e se as consequências na moral dos jogadores encarnados estão ainda por aquilatar, já quanto à moral dos principais adversários na luta pelo título, tenho, neste momento, poucas dúvidas: esta generosa derrota recuperou o ânimo do FC Porto, e reforçou fortemente o do Sporting.
Dito isto, importa não chorar mais sobre o leite derramado. Importa, sobretudo, olhar para os próximos jogos com redobrada atenção, e redobrada vontade de vencer. Continuamos na frente, com uma vantagem ainda considerável, e não deixámos de ser os principais candidatos ao título.
Este sábado, diante do Boavista, temos nova “final”. É imperioso vencer, para afastar fantasmas, e repor uma certa ordem na história deste campeonato. É importante que os adeptos esqueçam rapidamente a frustração da passada segunda-feira, e voltem a focar-se no apoio a uma equipa que, ainda assim, continua a realizar uma temporada bastante acima das expectativas iniciais. 
Perdemos uma batalha, mas venceremos a guerra.

 

26/01/15

EQUIPA DE AUTOR


Estávamos em Agosto, às portas das competições oficiais, e o Benfica levava 6 derrotas em 8 jogos de pré-temporada - a última das quais por 5-1 diante do Arsenal. Apenas Sion e Estoril haviam sido ultrapassados por uma equipa encarnada que se dizia estar em decomposição.
Oblak, Garay, Siqueira, André Gomes, Markovic, Rodrigo e Cardozo, peças importantes no “Triplete”, haviam partido. Antes já partira Matic. Mais tarde partiria também Enzo Perez. Até jovens promessas como Cancelo, Bernardo Silva ou Cavaleiro nos deixavam. Fejsa, Amorim, Sílvio e Sulejmani apresentavam lesões graves e demoradas. Do “melhor plantel dos últimos trinta anos” pouco mais restava do que cinzas.
Confesso que fui dos muitos a desconfiar das potencialidades de um conjunto do qual os presumíveis titulares eram outrora suplentes, no qual o banco estava agora ocupado por ex-renegados, e para o qual as novas contratações estavam longe de entusiasmar. Até porque nos quadros do principal adversário entravam “estrelas” em catadupa. Muita gente terá então suposto que o novo campeão estava encontrado, restando-nos lutar pelo segundo lugar.
Estamos em Janeiro, e nada está ganho. Mas ver este Benfica comandar categoricamente a classificação, com vantagem pontual significativa, e agora também com nota artística elevada, é reconfortante, e diz bem da qualidade do trabalho realizado por um treinador de excepção.
Jorge Jesus já mostrara capacidade para fazer equipas de luxo a partir de grandes plantéis. Nos últimos meses tem demonstrado que também as faz a partir de escombros. Ou melhor, a partir daquilo que pareciam escombros, mas que ele soube potenciar e transformar em ourivesaria fina.
É oficial: temos de novo uma grande equipa, jogamos de novo um belíssimo futebol, e somos os mais fortes candidatos ao título. Podemos não o conquistar, mas a performance até agora alcançada, nas circunstâncias acima referidas, não está ao alcance do comum mortal.
Este Benfica é pois uma obra de autor. Diria mesmo, uma obra de mestre.

13/01/15

INFERNO NO PAVILHÃO!


A nossa equipa de Futebol, com manueis e com joaquins, leva já 43 pontos em 16 jornadas. Melhor, só em 1984, ou seja, há mais de 30 anos. O caminho é o do título, e todo o apoio será pouco para garantir que a saga termine como desejamos.

Mas também nos pavilhões, o Benfica 2014-15 vai dizimando a concorrência.

Em Hóquei, aquela que será, porventura, uma das melhores equipas da história encarnada, conta 13 vitórias em 14 jogos - das quais, as últimas três, 7-3 no Porto, 10-0 ao Valongo e 7-0 ao Sporting, são bem elucidativas da força e da classe que por ali abunda. Amanhã discute-se na Luz o 1º lugar do grupo europeu com o Barcelona. Não andaria longe da verdade se afirmasse estarmos perante os dois melhores conjuntos do momento em todo o mundo. Para quem gosta de Hóquei, este será um petisco a não perder. E também as meninas, lideres destacadas cá no burgo, têm compromisso internacional, igualmente na Luz, diante do Voltregá.

O Basquetebol, já com dois troféus no bolso, vai passeando pelo campeonato, rumo ao Tetra. Espera-se que neste sábado alcance a 11ª vitória em 12 jogos, precisamente sobre o único adversário que não derrotou na primeira volta: o Galitos. O jogo é em casa.

O Voleibol também joga na Luz, com o Esmoriz, e procura o 12º triunfo em 13 partidas. Outra marca impressionante na caminhada para o Tri.

A renovada equipa de Futsal tem arrasado todos os adversários. Já leva 16 vitórias em 17 jogos, grande parte delas por números esclarecedores. Este sábado inicia a luta pela conquista da Taça, em Braga.

O Andebol mantém vivas todas as esperanças para o Play-off. Amanhã enfrenta o Passos Manuel, a fechar uma grandiosa jornada à Benfica nos nossos pavilhões.

O trabalho que tem sido feito por esta gente merece a presença em massa dos benfiquistas. Este sábado, temos uma boa oportunidade para demonstrar gratidão, por tantas vitórias; e confiança, de que elas se traduzam em títulos.   

Basquete, Volei, Hóquei, Andebol e mais Hóquei. Das 15.00h às 23.00h. Força Benfica!

 

UM ANO INESQUECÍVEL


O ano de 2014 entrou para a galeria dos mais empolgantes da história recente do Benfica.

É verdade que começou de forma triste, com o desaparecimento de duas lendas do futebol português e mundial, que tantas saudades nos deixaram. Eusébio e Coluna partiram, e, infelizmente, já não puderam desfrutar dos triunfos com que o clube que tanto amavam, e ao qual tanto deram, varreu o país.

Certamente que a magnitude do seu legado serviu de inspiração aos atletas encarnados que, ao longo dos meses seguintes, nas várias modalidades e escalões, fizeram de 2014 um ano para recordar. Desde logo, no Futebol.

Campeonato Nacional, Taça de Portugal, Taça da Liga e Supertaça. Tudo ficou nas nossas mãos. Mais títulos nacionais houvesse, mais títulos seriam conquistados. Foi, como se costuma dizer, uma limpeza.  

Só um árbitro alemão de má memória impediu a nossa equipa de alcançar a consagração internacional que tanto merecia. Os penáltis de Turim foram, sem dúvida, o momento desportivo mais doloroso de 2014, não só pela perda de algo que parecia estar perfeitamente ao nosso alcance, como pelo sentimento de injustiça face à forma obtusa como tal desfecho se concretizou.

Já na nova temporada, as treze vitórias em quinze jogos do Campeonato, a clara vitória no Estádio do Dragão, e os seis pontos de vantagem na tabela classificativa, indiciam que o sonho do “Bi” está bem vivo. É esse o grande desejo de todos nós para 2015. É esse o desígnio que terá de nortear a família benfiquista durante os próximos cinco meses. Unidos, enchendo estádios, criando uma avassaladora onda vermelha em torno da equipa e de cada partida, estou seguro de que voltaremos ao Marquês.

Também nas restantes modalidades o Benfica deu cartas em 2014. Campeão de Basquetebol, Atletismo e Voleibol, vencedor da Taça de Portugal em Hóquei em Patins, líder nas várias frentes em que participa nesta nova época, o último ano evidenciou um Benfica altamente competitivo, e predominantemente ganhador. Também no ecletismo, 2015 promete.