10/02/15

PRAGMATISMO


Não tivesse eu visto o dérbi com os meus próprios olhos, e a julgar pelos comentários que ouvi e li – alguns dos quais, pela voz e pela pena de distintos benfiquistas –, seria levado a pensar que o Benfica fora massacrado, que o Sporting criara dúzias de oportunidades de golo, e que o resultado justo teria sido uma goleada a favor dos nossos rivais.

A realidade é bem diferente. Assistiu-se a uma partida tacticamente amarrada, na qual as defesas se superiorizaram aos ataques. A iniciativa de jogo foi, naturalmente, da equipa que mais precisava de ganhar. O Benfica, a quem o empate não inquietava, jogou com as cautelas que o pragmatismo aconselha. Podia ter tido o azar de perder com um erro nos últimos minutos, na segunda oportunidade criada pelo Sporting. Teve a sorte de empatar nos últimos segundos, na segunda oportunidade que criou. Com tão poucos lances de perigo junto das balizas, diria que o resultado normal teria sido 0-0. Os golos apimentaram a noite, trazendo, eles sim, sensações de angústia e de euforia que iludem a racionalidade, e enviesam as análises.

Teria o Benfica alguma coisa a ganhar mostrando outra ousadia? Não sei. Na casa de um adversário altamente moralizado, não era prudente entrar em campo com a petulância dos fanfarrões. Prefiro que outros se queixem da nossa sorte, do que sermos nós a queixar-nos do azar.

As críticas mais simplistas à estratégia de Jesus – que também fizeram eco na família benfiquista – ignoram dois aspectos essenciais. O primeiro é que jogar bem, jogar bonito e jogar ao ataque não são necessariamente sinónimos. O segundo é que o Benfica não tem hoje os argumentos técnicos de que dispunha nas últimas temporadas.

Sim, acredito que seremos campeões. Mas com uma banda sonora diferente da música que tocavam Aimar, Saviola e Di Maria, ou, mais tarde, Matic, Enzo e Markovic. Agora o caminho tem de ser outro. E desde que nos leve ao Marquês (onde, aí sim, haverá espectáculo), não vai ser um trinco a mais que nos fará festejar a menos.

MAIS DO QUE UM DÉRBI


Olhando para as estatísticas, e ao contrário da “verdade” com que somos anualmente confrontados, um Benfica-Sporting, na Luz, tem sempre um acentuado favorito. Por exemplo, nos últimos nove campeonatos, o Benfica venceu seis vezes, empatou três, não perdendo em nenhuma ocasião. Mais: nos últimos oito Benficas-Sportingues disputados na Luz, apenas sofremos um golo.

Pelo contrário, em Alvalade, e segundo as mesmas estatísticas, o equilíbrio prevalece, não havendo favoritismos a atribuir. Ou não se registassem precisamente três vitórias, três empates e três derrotas, nos últimos nove dérbis para o campeonato jogados no recinto dos nossos vizinhos.

Para este domingo, é pois difícil avançar com prognósticos – até porque, como alguém sabiamente afirmou, em futebol eles apenas devem ser feitos no fim dos jogos.

Já quanto à importância do desafio não restam dúvidas. Embora uma vantagem de sete pontos salvaguarde, sob o ponto de vista aritmético, a liderança benfiquista, sabemos que, na prática, uma derrota em Alvalade traria o Sporting de regresso à luta pelo título (coisa que bem dispensamos), permitindo igualmente a aproximação do FC Porto - que poderia passar a depender apenas de si próprio, situação substancialmente mais motivadora para qualquer perseguidor numa prova desta natureza. Tratando-se de um jogo decisivo para os nossos adversários directos, trata-se, consequentemente, de um jogo decisivo também para nós. E é dessa forma que o teremos de abordar.

Sabemos que do outro lado está uma equipa jovem, e que a pressão de enfrentar o tão odiado quanto temível Benfica costuma pesar-lhe nos ombros. Devemos saber jogar com isso, e com a força que o escudo de campeão transmite aos nossos atletas. A confiança e a maturidade poderão ser a chave para um resultado positivo. Um empate não seria dramático - não abria espaço a qualquer dos perigos acima referidos -, mas as vitórias são a nossa forma de estar na vida, e é para a conquista dos três pontos que teremos de apontar as baterias.