27/03/15

POTENCIA DESPORTIVA


Com as várias modalidades ainda a entrarem na fase decisiva das principais competições, será prematuro fazer desde já um balanço rigoroso da temporada eclética do nosso clube.

Ainda assim, pode dizer-se que o Voleibol, o Basquetebol e o Atletismo, mesmo tendo pela frente as decisões nos respectivos campeonatos, já fizeram por tornar positiva a época de 2014-15. No Voleibol, Taça e Supertaça estão já nas nossas vitrinas, troféus aos quais temos que juntar uma histórica prestação internacional, faltando apenas selar o tri-campeonato. No Basquete, haverá que concretizar o tetra-campeonato, mas já arrecadámos Taça, Supertaça, e os troféus Hugo dos Santos e António Pratas, ou seja, todas as provas oficiais disputadas no país. No Atletismo, aos títulos já alcançados não podemos deixar de somar o triunfo de Nélson Évora nos Europeus de Pista Coberta – ainda que com as cores da selecção portuguesa.

Nas restantes três modalidades de pavilhão, está tudo em aberto. A fantástica equipa de Hóquei em Patins tem o título nacional e a Taça de Portugal à mercê, levando 23 vitórias, um empate e zero derrotas nestas duas provas até ao momento (uma pena a eliminação europeia…). O Futsal aponta também a uma eventual dobradinha, seguindo igualmente invicto nas duas provas (22 vitórias e 3 empates). Quanto ao Andebol, começa este fim-de-semana a disputar a meia-final do play-off, sendo que também na frente europeia se tem destacado.

Com uma percentagem de vitória na casa dos 86% (82% nos dois anos anteriores), as nossas modalidades estão bem e recomendam-se. Espera-se, pois, mais um ano à Benfica.

 

NA FRENTE


Se, por absurdo, em Agosto de 2014, no fim de uma pré-temporada angustiante, alguém nos desse a assinar um documento por via do qual, no início de Abril, o Benfica estaria a liderar o campeonato com três pontos de vantagem sobre o segundo classificado, seria fácil recolher quase tantas assinaturas quantos os sócios e adeptos abordados.

Independentemente das expectativas que, num ou noutro momento, por este ou aquele resultado, foram sendo criadas, ninguém de bom senso esperaria que o presente campeonato se transformasse num passeio – como, diga-se, de algum modo acabou por ser o anterior.

O plantel encarnado sofreu entretanto muitas baixas, e o rival directo reforçou-se com exuberância. As forças equilibraram-se. E se este Benfica pôde continuar a vencer, não é justo exigirmos-lhe que o faça nadando num mar de facilidades.

A derrota de Vila do Conde foi dolorosa, mas não vai iludir os factos: estamos a fazer um campeonato brilhante, e somos os mais sérios candidatos ao título. Perdemos uma batalha. Já havíamos perdido outras. Mas a guerra está aí, diante de nós, para ser vencida. Com agruras, com sofrimento, com avanços e recuos, com suor e com lágrimas. A nossa cor é de sangue, e a nossa história é de luta. Da Farmácia Franco aos heróis de Berna, de Eusébio e Coluna aos dias de hoje.

Não foi a choramingar que nos tornámos um dos maiores clubes do mundo. Foi, sim, a reagir às adversidades com alma de campeão, e a erguermo-nos, mais fortes, de cada vez que tropeçámos.

Faltam apenas oito finais. Hoje é o primeiro dia do resto da temporada, e partimos na frente.

Força Benfica!

ONDA VERMELHA


O espaço desta coluna não chegaria para destacar todas as vitórias que o nosso Clube alcançou na passada semana, com o realce que cada uma delas merecia.

Teria de escrever sobre Andebol, e sobre a impressionante vitória na Polónia, na 1ªmão dos quartos-de-final da Taça Challenge. Teria de escrever sobre Voleibol, e o claro triunfo perante o SC Espinho no primeiro jogo das meias-finais do Playoff. Teria de mencionar mais uma gorda vitória do Basquetebol no campeonato que há muito lidera. Teria de falar de Atletismo, e da limpeza nos nacionais de Corta-Mato. Teria, sobretudo, de saudar as meninas do Hóquei em Patins, que alcançaram um feito histórico de suprema grandeza, tornando-se Campeãs da Europa - aliás, o desporto feminino tem sido uma aposta do Benfica, tratando-se de uma vertente com franca margem de progressão.

Mas posso também falar de Futebol, e do enorme espectáculo a que assistimos no Sábado, quer dentro do campo, quer nas repletas bancadas da Luz, onde mais de 60 mil deram voz à alma de campeão.

A sensação que se colhe de uma experiência como aquela é a de que um Benfica assim é imparável. Somos muitos, e, quando unidos e capazes de transmitir confiança e vibração à equipa, tornamo-nos esmagadores.

A prestação dos jogadores foi notável, e dois golos souberam a pouco para tanto futebol.

O colorido das bancadas fica na retina de quem o viveu (o horário dos jogos também ajuda, como tem sido demonstrado ao longo destas duas épocas).

Ficou bem claro qual o caminho que teremos de percorrer para que o sonho do bi-campeonato se transforme numa doce realidade. É seguir em frente.

JOGOS ESPECIAIS


Terminado o jogo entre SC Braga e FC Porto, esperava-se alguma indignação por parte dos dirigentes da equipa da casa, face a um lance de grande penalidade que ficou por sancionar, e que poderia ter dado o empate.

Pelo contrário, o presidente bracarense não só ignorou esse lance, como afirmou, a despropósito, que a sua equipa teria de fazer tudo para ganhar… ao Benfica.

Independentemente da falta de oportunidade da declaração, fica por saber o que será esse “tudo”. Mas, olhando à diferença de atitude competitiva que o SC Braga tem revelado quando defronta o Benfica – jogos que disputa de faca nos dentes, com níveis de agressividade próximos do intolerável -, e quando tem pela frente o FC Porto – jogos em que normalmente é dócil e submisso -, podemos chegar a algumas pistas. 

O futebol tem coisas estranhas, que escapam ao entendimento do adepto comum. É normal que uma equipa mais pequena se agigante quando tem pela frente nomes sonantes. Mas não é normal que, ano após ano, jogo após jogo, uma mesma equipa coloque grandes dificuldades a um adversário, e apresente total passividade face a outro. Desde os tempos de Domingos Paciência que assim é. Certamente por coincidência.

Quem terá de ignorar tudo isto somos nós. E a solução para vencer é apenas uma: entrar com a mesma intensidade do adversário minhoto, sabendo que, assim, a maior capacidade técnica dos nossos jogadores fará a diferença. É também importante que o apoio dos adeptos se faça sentir, não com bolas de golfe ou intimidação (como por vezes sucede em Braga), mas com incentivos capazes para empurrar a equipa para o golo.

06/03/15

O REI ARTUR


Todos nos recordamos de algumas primeiras páginas de jornais na semana que antecedeu o último dérbi lisboeta, e das pressões que foram lançadas sobre os ombros do guarda-redes Artur, procurando desestabilizá-lo, desacreditá-lo, e até humilha-lo.

Artur respondeu como se impunha. Foi um dos melhores em campo nessa partida, e, nos quatro jogos que desde então realizou, apenas voltou a sofrer um golo (sem culpas, diga-se). Mais: nesses jogos (cinco no total), não cometeu qualquer erro, realizando excelentes intervenções. Bastará dizer que, nestas semanas, não se sentiu a ausência de Júlio César.

Não me esqueço (nem lhe perdoo…) a fantástica exibição que Artur fez pelo SC Braga, na meia-final da Liga Europa de 2010-11. Também não me esqueço dos seus primeiros meses no Benfica, ao longo dos quais exibiu grande segurança, contribuindo decisivamente para alguns bons resultados – designadamente na Champions. Na última Supertaça voltou a ser decisivo, quando muitos desconfiavam dele. E na primeira jornada deste Campeonato, defendeu um penálti num momento extremamente importante para a equipa.

Passou tempos menos felizes, que, para azar dele (e nosso) coincidiram com jogos decisivos – sobretudo na dramática ponta final da temporada 2012-13. Caiu então sobre Artur um anátema do qual custou a libertar-se, mas que é totalmente injusto face à sua grande categoria.

Poucos se têm lembrado dele por estes dias. Os guarda-redes dão nas vistas sobretudo quando erram. Mas Artur merece esta referência. E se o Benfica for campeão – como todos esperamos – terá um lugar muito especial nas festividades.

CANTIGAS DE ESCÁRNIO


À medida que nos vamos aproximando da fase decisiva da temporada, é cada vez mais sonoro o ruído provocado pela única, e já clássica, aliança verdadeiramente existente no futebol português: a que congrega FC Porto e Sporting, num afinado ataque ao Benfica.

De um lado, aqueles que durante décadas beneficiaram de arbitragens protectoras em troca de viagens ao Brasil, de favores de prostitutas, de promoções na carreira, de aconselhamento matrimonial, ou – quando tal não se revelava suficientemente cativante – de manobras de intimidação à moda siciliana. Crimes cujo castigo ficou vedado por meras incidências processuais, mas que jamais irão cair no nosso esquecimento.

Do outro lado, o queixume próprio de quem nada ganha há longos anos, de quem sempre se colocou em bicos de pés na tentativa reiteradamente frustrada de se sentir à altura do odiado vizinho e rival, e de quem tem a necessidade crescente de encobrir desilusões próprias atirando lama para cima dos triunfos alheios. Enfim, uma lamúria antiga e bem conhecida.

Um canto que não era canto – era penálti…. Um cartão vermelho que, objectivamente, ninguém ousa contestar. Um lance dividido, mas limpo, na área do Benfica. Três momentos do jogo de Moreira de Cónegos cujo benefício extra-desportivo para o Benfica foi nulo, mas que, ainda assim, serviram de arma de arremesso no âmbito do futebol falado e escrito, devidamente misturados num ressequido bolo de mistificação e embuste.

A razão para a gritaria é só uma: o medo de ver o Benfica sagrar-se novamente campeão nacional.

O objectivo é simples: pressionar as arbitragens dos próximos jogos, para assim tentar impedir que esse temido desfecho se torne realidade.

A resposta será dada dentro do campo. E também nas bancadas, onde a nossa voz se fará ouvir mais alto que todas as tentativas de desestabilização de que seremos alvo até ao fim deste campeonato.

Estamos todos convocados. Cada jogo uma final, cada lance uma vida. E um título à distância da nossa união e vontade de vencer.

CROMO DA BOLA


Para os lados de Alvalade, o Carnaval veio com uma semana de antecedência. E é provável que continue muito para além da tradicional quarta-feira de cinzas.

Logo que chegou à presidência do Sporting, a postura de Bruno Carvalho perante certas figuras parecia a de alguém capaz de trazer algo de novo ao futebol português. Rapidamente a máscara lhe caiu. Viu-se precipitação em vez de sensatez, fanfarronice em vez de coragem, e conflitualidade barata em vez de determinação. 

Tratando o clube como um brinquedo, incompatibilizou-se com o FC Porto, incompatibilizou-se com a Liga, incompatibilizou-se com a Federação, incompatibilizou-se com os fundos, incompatibilizou-se com a UEFA, incompatibilizou-se com os jogadores, incompatibilizou-se com o treinador, incompatibilizou-se com figuras históricas do seu clube, incompatibilizou-se com os anteriores dirigentes, incompatibilizou-se com grupos de adeptos, incompatibilizou-se com a imprensa, e faltava, obviamente, incompatibilizar-se com o Benfica. Não havia melhor ocasião do que o rescaldo de um resultado frustrante. Uma tarja infeliz serviu de pretexto.

Fosse eu a decidir, e teria ficado sem resposta desde o primeiro comunicado. Este tipo de personagem procura protagonismo, e nada melhor que uma boa dose de polémica para o conseguir. Infelizmente, já por cá tivemos igual. Conhecemos a espécie. Daqui ao descrédito total – mesmo entre os seus - é apenas uma questão de tempo.

O corte de relações não nos tira o sono. Não me recordo do Benfica ganhar alguma coisa por ter melhores ou piores relações institucionais com o Sporting. Nos momentos-chave, em que o futebol português podia dar passos no sentido da regeneração, o Sporting assobiou para o lado. Ao respeito que sempre lhes dispensámos, responderam com o ressentimento próprio dos invejosos. Não servem para nada. Não fazem falta. Não contam para o nosso campeonato. Podem ficar a falar sozinhos. Daqui, não os ouvimos.

Vamos ganhar ao Moreirense, pois é isso que verdadeiramente interessa.