26/05/15

VENHA OUTRA!


Hoje há mais. Na final da Taça da Liga, espera-se nova festa benfiquista. Espera-se o 6º troféu oficial em duas temporadas.

Depois, o futebol parte para férias. Será altura de preparar a próxima época e o ataque ao Tri.

Com uma equipa alicerçada na experiência de jogadores na casa dos trinta anos, como Júlio César, Maxi Pereira, Luisão, Lima ou Jonas, o Benfica terá porventura, neste defeso, uma menor pressão de mercado face à que sofreu em anos anteriores. Sabe-se que Gaitán e Salvio são muito pretendidos, mas parece perfeitamente exequível segurar na Luz, pelo menos, os restantes nove titulares, mais os dois ou três suplentes habitualmente utilizados. Assim, com um ou outro reforço cirúrgico, será possível manter uma linha de continuidade, salvaguardando também - e este não é assunto menor - o tão louvado espírito de grupo deste plantel.

Em cima da mesa está igualmente a questão do treinador. Estou certo que o presidente e a direcção farão todos os possíveis, e até alguns impossíveis, para manter Jorge Jesus. A estabilidade no comando técnico da equipa tem sido uma arma determinante no sucesso do nosso futebol. Jesus criou um modelo de jogo eficaz e ganhador, fazendo crescer dezenas de atletas. Deu-nos vitórias e dinheiro. Muito dinheiro. No meu tempo de vida não recordo outro técnico tão influente e decisivo. Não será fácil encontrar igual.

Começar do zero, num contexto económico muito menos favorável que o de 2009, acarretaria riscos substancialmente mais elevados do que o custo da renovação do contrato. Até porque, como diz o povo sabiamente, “o barato por vezes sai caro”.

18/05/15

BI-CAMPEÕES!!


DIGA 34


“…enquanto os outros falavam, nós íamos trabalhando”.

Esta frase, dita no rescaldo do jogo do título pelo capitão Luisão, reflecte o que se passou ao longo da temporada, e explica porque estamos agora em festa.

Perante um adversário directo que bateu todos os recordes de investimento para nos derrotar, que dispôs do plantel mais caro da história do futebol português, e que, por tudo isso, era tido em Agosto como o grande favorito à conquista do título, o Benfica valeu-se da humildade, da união, do crer, da raça, e da regressada mística, para inverter os papéis, e terminar na frente. Valeu-se, também, do manto protector de milhões de adeptos espalhados pelo país, que em momentos-chave carregaram a equipa ao colo rumo a importantes vitórias.

Quem mais falou, acabou ajoelhado no chão, de mãos a abanar, e insultado pelos seus. Nós, acabamos Bi-Campeões, e envolvidos numa gigantesca festa nacional e lusófona - bem mais ampla do que os pontuais incidentes verificados em Lisboa.

O mérito deste título é de muita gente. Mas dois homens emergem como figuras maiores de uma conquista cujo significado histórico vai bastante além do número 34. Jorge Jesus, que reconstruiu uma equipa de raiz, dotando-a de uma dinâmica de vitória absolutamente notável, e, sobretudo, Luís Filipe Vieira, que já não andará longe de se tornar o maior presidente de sempre do Sport Lisboa e Benfica.

Feita a festa, é altura de olhar para a frente. Falta ainda garantir a Taça da Liga, de modo a fechar mais uma temporada futebolística com três troféus: uma espécie de triplete-versão dois, que não queremos desperdiçar.

 

SÓ MAIS UMA!


Depois de nove longos meses de competição, de jornadas intensas – ora mais difíceis, ora menos complicadas –, de ansiedade e sofrimento, de muitos avanços e poucos recuos, de constante pressão, de demasiada conversa fora das quatro linhas, de boas exibições e grandes golos, de muito suor e algumas lágrimas, eis chegado o momento em que tudo poderá, enfim, ficar definido.

Falta-nos uma, apenas uma vitória. Com mais três pontos, ninguém nos poderá retirar o direito de comemorar a conquista do 34º título nacional, consumando assim o principal objectivo da temporada desportiva de 2014-2015. Poderá acontecer já em Guimarães, num terreno difícil, e perante um adversário que não nos tem sido nada simpático – nos últimos sete anos, derrotou-nos cinco vezes, quer em jogos do Campeonato, quer na Taça de Portugal.

Com uma margem de erro que ainda permite um deslize, não haverá motivo para que a equipa acuse qualquer tipo de pressão negativa. Sabemos que somos melhores, que merecemos ganhar, e que vamos certamente cortar a meta em primeiro. É com a auto-estima em alta que devemos partir para a cidade-berço. E é em festa que esperamos de lá voltar.

Estou em crer que o Futebol nos fará justiça já nesta jornada, no primeiro de dois “matchs-points” de que dispomos para fechar as contas do título. Estou em crer que a glória está iminente. Falta um bocadinho assim. Vamos a isso!

 

PS: O Hóquei e o Volei já estão no papo. O Futebol vem caminho. Espera-se que também o Basquete e o Futsal possam ainda festejar. Talvez estejamos à beira de um momento absolutamente ímpar na nossa história centenária.

05/05/15

A FESTA PODE ESPERAR


Por esta altura, não haverá muitos benfiquistas a quem passe pela cabeça a hipótese de ver fugir o título nacional.

Depois de cumpridas 31 jornadas, com dois jogos em casa por disputar, com uma margem de erro simpática, e com a força competitiva demonstrada em Barcelos, é de facto difícil imaginar outro cenário.

Porém, a nossa história recente obriga a todas as precauções. Se o entusiasmo, e até a euforia, são sentimentos legítimos de uma massa associativa que se alimenta de glórias, aos jogadores e quem os rodeia não é permitido qualquer tipo de dispersão, em face de um objectivo que só estará alcançado quando a matemática assim o determinar.

Há dois anos encontrámo-nos numa situação semelhante. Sabemos o que aconteceu depois. Se o Gil Vicente pode ter sido uma espécie de Marítimo de 2012-2013, não podemos permitir que, amanhã, o Penafiel se transforme numa espécie de Estoril. É pois necessário encarar este jogo como mais uma dura “final”, numa caminhada que ainda não está concluída.

Um estádio cheio irá ajudar. Não para comemorar seja o que for, mas sim para dar mais um forte empurrão à nossa equipa – a qual devemos ajudar, sobretudo no caso de, por qualquer motivo, e em qualquer momento, o jogo vir a tornar-se mais complicado do que o esperado.

Muito dificilmente seremos campeões neste fim-de-semana. O mais provável é entrarmos no difícil estádio de Guimarães ainda a necessitar de pontos. É muito importante poder fazê-lo com algum conforto, sob pena de as contas se complicarem.

Por todas estas razões, amanhã sim, estaremos perante o jogo do ano. A festa? Essa pode esperar.

TODOS OS NOMES


Chame-se Lotopegui, Lobategui ou Lopatego, o basco que treina o FC Porto tem o condão de não agradar a ninguém – consenso que, diga-se, não é fácil de estabelecer num futebol português extremamente polarizado e polemizado.

Não agrada aos desportistas em geral, pois trouxe com ele uma postura de antipatia e petulância que o povo português bem dispensava. Não agrada aos adversários, pois a sua retórica provocadora tem sido uma constante. Não agrada aos jornalistas, com os quais é altivo e mal-educado. Não agrada aos árbitros, dos quais se queixa jornada após jornada, sem razões objectivas para tal. Não agradará, sequer, aos adeptos do seu clube, pois com o plantel mais caro da história do país arrisca-se a não vencer um único troféu, tendo sido eliminado da Taça de Portugal, em casa, pelo Sporting; da Taça da Liga pelo Marítimo; humilhado na Liga dos Campeões pelo Bayern de Munique; estando agora dependente de terceiros, a quatro jornadas do fim, na única competição que lhe resta.

Discurso oficial à parte, quem o contratou ter-se-á também já arrependido. Se outros não acertam no seu nome, ele raramente acerta nos nomes dos jogadores que coloca a jogar, e raramente acerta no que diz. Há pessoas assim.

Enquanto benfiquista, desejo vê-lo no clube rival por mais alguns anos (com ele no banco, não há Jacksons, Danilos, Casemiros ou Oliveres que lhes valham). Enquanto português, parece-me que temos por cá dezenas de treinadores mais competentes e sabedores do que ele.

Resta saber se este aparente erro de casting significa, ou não, o canto do cisne da tão incensada “estrutura” portista.

VENCER, VENCER


Não andaria longe da verdade se afirmasse que temos, esta temporada, uma das melhores equipas de Hóquei em Patins da história do Benfica. A vitória por 5-1 sobre o FC Porto (a acrescer ao triunfo por 3-7 no Dragão) traduziu essa clara superioridade, consumando um título há muito anunciado. 23 vitórias e 1 empate, em 24 jornadas, são outro dos cartões de visita dos nossos fantásticos hoquistas. Estou em crer que a Taça de Portugal também não fugirá, concretizando a desejada “dobradinha” – algo que não acontece desde 1995.

No domingo é a vez do Futebol.  Entende-se que Jorge Jesus queira retirar pressão dos ombros dos jogadores, mas, com ou sem retórica, o jogo é mesmo decisivo. E se o vencermos, nem o mais laureado matemático me fará duvidar do título.

Em casa, a nossa equipa tem demonstrado forte predominância sobre os adversários, e uma qualidade de jogo digna de campeão. Esta partida terá, provavelmente, características diferentes, apelando menos à nota artística, e mais à generosidade dos jogadores na disputa de cada lance. Será um desafio à coragem. Um repto à alma benfiquista.

O Inferno da Luz também está convocado, sobretudo para os momentos em que a equipa mais necessitar de apoio. É importante percebermos que os jogos têm noventa minutos, e passam por fases distintas. Num ou noutro período, os nossos jogadores poderão precisar de sentir que estamos com eles, e que estamos unidos em torno de um objectivo comum.

Há que mostrar, também nas bancadas, que o adversário não nos amedronta, e fica demasiado pequeno perante o grito da nossa fé. O grito que nos conduzirá à glória.

A FEBRE DE SÁBADO À TARDE


As últimas partidas disputadas na Luz têm enchido as medidas aos benfiquistas, quer pelas vitórias sucessivas, quer pela qualidade de jogo apresentada, quer pelos muitos e bons golos, quer pelo ambiente vivido antes, durante e após os jogos. Uma verdadeira febre de sábado à tarde, que pretendemos manter até ao fim da época.
O horário é o ideal, como se comprova pelos números da bilheteira. E as exibições têm correspondido à expectativa dos adeptos mais exigentes, resgatando o futebol para a sua pureza festiva – que, em Portugal, a dada altura, e por motivos que não vêm ao caso, terá sido hipotecada. Trata-se, no fundo, de fazer coincidir um bom espectáculo dentro das quatro linhas, com bancadas cheias de entusiasmo, jovialidade e fervor clubista. É isso que temos conseguido. É isso que este grande Benfica (desportiva, institucional e socialmente) tem conseguido.
Amanhã, queremos ver reproduzida toda esta intensidade e alegria no Restelo. Não há razão para que, num estádio pintado de vermelho (como certamente será o caso), a equipa não entre em campo com a autoridade que tem demonstrado na Luz, e que mal deixa respirar os atónitos adversários.
Não é possível jogar dois jogos ao mesmo tempo: por agora é este, e apenas este, que teremos de vencer. Um Benfica à altura do escudo de campeão que ostenta, e em harmonia com aquilo que tem evidenciado nas últimas partidas em casa, corresponderá com certeza ao imperativo de conquistar os três pontos, dando mais um passo rumo ao 34º título.
PS: Para o Voleibol (e, já agora, para o Hóquei) deixo apenas três palavras: Vamos ser Campeões!

SETE FINAIS


Número bíblico, número mítico, número da perfeição, sete são os dias da semana, sete são também os jogos que nos separam da conquista do Bi-Campeonato.
Podem até ser menos (dependendo dos resultados que entretanto se forem verificando). Podem ser apenas cinco, se os vencermos todos. Mas para isso, há que olhar para cada um como se fosse o último. Como se fosse uma final.
Amanhã é dia grande. É dia de final. Temos pela frente a Académica – equipa que começou mal a temporada, mas tem crescido manifestamente nas últimas semanas. Vai colocar-nos dificuldades. Com talento, com alma, com garra benfiquista, e com apoio incessante nas bancadas (nos momentos mais exuberantes, mas também naqueles em que é necessário arrefecer o jogo, ou conter o ímpeto de adversários que querem igualmente os pontos), vamos certamente vencer, e dar mais um importante passo rumo ao título.
Estes fantásticos jogadores merecem tudo. Este treinador resgatou a competitividade do nosso futebol para níveis que só num passado já longínquo encontram paralelo. Este presidente pegou nos escombros de anos malditos, e ergueu o colosso que temos hoje à nossa frente, devolvendo-nos o orgulho, e devolvendo-nos a esperança. Temos, em campo, no banco, e na tribuna, os intérpretes perfeitos da nossa grandeza. Cabe-nos a nós, sócios e adeptos, cumprir a nossa parte.
Amanhã seremos muitos. Além de sermos mais, temos também de ser melhores. Temos de estar ao nível da importância do momento. Os benfiquistas sabem bem como o fazer. Como levar os seus à Glória. Unidos, em torno de um ideal.
Todos por um. Todos pelo título. Força Benfica!