18/11/16

NOJO

Uma imagem vale por mil palavras. E quando a imagem é nítida, não há palavras que lhe resistam, nem areia ou vapor que nos tapem os olhos.
Todo o país viu o presidente de um clube cuspir ostensivamente na cara de outro. Só isso basta para concluir estarmos perante uma situação gravíssima, e inédita na história do dirigismo desportivo.
Impõe-se que as instituições jurisdicionais sejam implacáveis. Mas é preciso que também a comunicação social assuma as suas responsabilidades, e deixe de compactuar com comportamentos que, a prazo, matam o próprio negócio, e têm efeitos nefastos a outros níveis.
Estamos a falar de um fenómeno de massas, seguido por milhões de crianças e jovens. Os exemplos que nos entram em casa via TV transcendem o universo desportivo, atingindo uma dimensão social não negligenciável. Os jornais e as televisões não podem, com paninhos quentes, debaixo da hipocrisia do politicamente correcto, tolhidos pelo receio de ferir susceptibilidades clubistas, sustentar, branquear ou promover figuras que usam este tipo de conduta, que fomentam guerrilhas, e delas se servem para, em bicos de pés, conquistar protagonismo e poder junto de falanges de adeptos fanatizadas.
Não é de Benficas, de Sportingues, ou de Aroucas que se trata. Aliás, com todo o clima de ódio que nos tem sido particularmente dirigido, somos Tri-Campeões, e estamos no rumo do Tetra. O problema aqui é já de sociedade.

Este episódio passa todas as marcas. E no dia em que alguém me convencer que é normal presidentes andarem a escarrar na cara uns dos outros nos túneis dos estádios, deixarei de ir ao futebol. 

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

parabéns pelo artigo. está lá tudo. continua assim a ter essa visão elevado do que que é o nosso "futebolzinho" e tudo o que o envolve...

18.11.16  
Blogger lawrence said...

Caro(a) LF:
Convenhamos que é uma pessoa com uma capacidade de perdoar e de esperança incrível!
Não leve a mal, mas essa capacidade cai melhor nos presidentes da liga, da federação, dos árbitros e outros que tal, mas esses auferem chorudos ordenados para poderem ter tais capacidades, às quais ainda podemos juntar a cegueira auto-infligida, a capacidade de assobiar para o lado enquanto parecem olhar para a frente, a invertebralidade, etc etc!
Se olharmos um pouco para além do desporto o cenário é o mesmo, ou seja, o do conflito constante e premeditado como forma de aglutinar as massas cada vez mais acéfalas e sedentas de confronto!

18.11.16  
Blogger O espetador said...

Pode-se desviar a atenção da conversa discutindo o estado liquido ou gasoso da coisa, mas o fundamental é a atitude. E essa é de muito baixo nível.
Sendo certo que para os apaniguados do `artista´ este é um comportamento normal de um clube diferente...

18.11.16  
Anonymous Anónimo said...

Viva LF. Faz tempo que nos vinha aqui, mas fazia-me falta um pouco da decência e civismo com que recordo os primeiros tempos do vedeta.

Estou consigo a 100%, como esperado. Mas uma volta pela blogosfera - especialmente a verde - prova que estamos bastante sós. BdC conseguiu levar todo este processo para o campo do anti benfiquismo (que ricas relações tem o Benfica com o Arouca!) e toda a carneirada seguiu alegremente o flautista.

Entre cuspo ou vapor, empurrões ou agressões, bovinos e bestialidade, tudo lhe é perdoado, comparado, justificado. O que importa é rodar o tabuleiro até aparecer o símbolo do Benfica na confusão.

Temo pelo futuro do Futebol português com este homem ao leme do Sporting. Temo pelo acicatar dos ânimos.
Não imagino o que será o próximo Sporting-Benfica, mas posso desde já dizer aqui que, ao contrário do que sucedeu em muitos anos anteriores E por culpa de BdC, eu não irei a Alvalade e terei cuidado se passar lá por perto.
E isso é triste. Muito triste.

19.11.16  

Enviar um comentário

<< Home