22/02/16

CIRCO DE FERAS

As pressões sobre a arbitragem não são, infelizmente, novidade.
Desde os tempos de Pedroto, recordo inúmeras situações em que os agentes desportivos tentaram, usando e abusando da comunicação social, condicionar o consciente e o subconsciente dos árbitros para os jogos seguintes. Outrora ou hoje, a receita é sempre a mesma, e bastante simples. Acusação, vitimização e queixume, tudo devidamente emoldurado numa sonora e persistente gritaria, capaz de transformar verdades em mentiras, e mentiras em verdades.
Naqueles tempos, a coisa até tinha piada. Em 2016, confesso que já não lhe acho graça nenhuma. Com o avançar da idade, parece-me tudo demasiado óbvio, demasiado básico. E aquilo que os responsáveis do Sporting têm feito ao longo deste campeonato, de tão ridículo, chega a ser penoso.
O ponto mais absurdo desta estratégia – e por si só capaz de descredibilizar todos os outros – terá sido a algazarra em torno da partida com o Tondela, onde uma boa arbitragem foi devastada pelos muitos apaniguados que o Sporting tem na comunicação social.
Esta semana, mais do mesmo: um penálti assinalado a favor do Benfica, num lance difícil de analisar, e eis que se reabriu a torneira da desfaçatez, com o objectivo único de condicionar as arbitragens seguintes, nomeadamente a do próximo dérbi.
Quero acreditar que, em 2016, os árbitros não sejam tão maleáveis como há vinte anos atrás. Isso deixa-me esperança de que todo este ruído não passe de folclore. Mas também é verdade que água mole em pedra dura tanto bate até que fura, sendo que neste caso, nem a pedra é muito dura, nem a água é muito mole.

15/02/16

SEM EXPLICAÇÃO

Quando uma determinada equipa ganha um jogo de futebol, comentadores e analistas de pronto vêem o copo meio cheio, evidenciando virtudes, e procurando encontrar nelas a razão da vitória. Quando essa mesma equipa perde, lá têm de olhar para o copo meio vazio, e procurar defeitos a partir dos quais explicar a derrota. É essa a forma de fazer corresponder – muitas vezes com artifício - cada resultado, às vicissitudes técnicas, tácticas e físicas que envolvem as partidas. De colorir uma retórica que vai muito para além da única evidência que o futebol regista: o número de bolas que entra nas balizas.
Toda essa verborreia omite, porém, um dado essencial: estamos, antes de mais, perante um jogo, cujos resultados incorporam uma larga componente aleatória.
É verdade que as equipas jogam bem ou mal, que passam por momentos de forma melhores ou piores, que têm pontos fortes e pontos fracos. As que jogam melhor e são mais fortes, ganham mais vezes.
O que não é justo é cantar loas a quem alcança uma dúzia de vitórias consecutivas, e depois, ao primeiro revés, colocar tudo em causa, como se, por magia, de um dia para outro, os atributos se transformassem em inépcias.
Um bom exemplo disto foi o Clássico da passada semana, no qual o Benfica construiu oito (!!) ocasiões clamorosas de golo, sendo todavia derrotado por um adversário tão insípido quanto afortunado – que teve no seu guarda-redes o homem do jogo.

Mais prosa, menos prosa, mais teoria, menos teoria, o futebol é mesmo assim. Nem sempre é justo, nem sempre se explica. É esse um dos seus encantos. É também por isso que nos apaixona.

A HORA DA VERDADE

Chegou a hora de mostrar o que vale este Benfica. De confirmar os resultados, as boas exibições, e a impressionante veia goleadora dos últimos dois meses. De calar os críticos, os mal-dizentes e as aves agoirentas. De responder aos provocadores e aos incendiários. De meter pressão máxima no rival de Lisboa, e afastar da corrida o rival do Porto.
Chegou a hora de mostrar o quanto cresceram alguns jogadores desta equipa. De André Almeida, Eliseu e Pizzi demonstrarem que estão num nível a que nunca haviam chegado antes. De confirmar que todos eles merecem discutir a titularidade na selecção nacional. De Jardel se arvorar definitivamente como patrão da defesa, e futuro grande capitão da equipa. De Renato Sanches se afirmar, já, como uma pedra preciosa para todas as circunstâncias. De Jonas prosseguir a sua caça insaciável à Bota de Ouro. De Mitroglou aumentar a inveja daqueles que não o conseguiram contratar. De Gaitán continuar a espalhar magia pela relva. De Fejsa ou Samaris confirmarem que, qualquer um deles é trinco de equipa campeã. De Júlio César gritar bem alto que é, ainda, um dos melhores do mundo.
Chegou a hora de mostrar que este Benfica já nada deve às versões anteriores. Que muitos dos seus jogadores nunca haviam evoluído tanto. De alcançar a 14ª vitória consecutiva no campeonato, sequência que há décadas não era obtida. De se afirmar eloquentemente como a melhor equipa portuguesa, e a mais forte candidata ao título.
Chegou a hora da verdade. Hoje e terça-feira, FC Porto e Zenit são os adversários ideais para o momento. Medo? Nenhum! Confiança? Toda!

Carrega Benfica!

02/02/16

GATO ESCONDIDO


Todos percebemos como pretende o Sporting chegar ao título: pressão incessante sobre a arbitragem, e lobbying nos media, para que se faça eco do discurso oficial de vitimização, repetindo-o até à náusea, até parecer verdade.

No meio da fumarada, muitos casos ficam esquecidos. Relembro os penáltis por assinalar nos três jogos com o Benfica, sobre Gaitán na Supertaça, e sobre Luisão no Campeonato e na Taça; o golo irregular que lhes valeu a vitória em Tondela; o off-side no golo ao Estoril; o escandaloso penálti que ficou por marcar em Arouca; o bloqueio no livre de que resultou o primeiro golo frente ao Moreirense; o penálti fora da área que Jorge Sousa ofereceu na partida com o SC Braga (jogo em que ficaram por expulsar três jogadores do Sporting); ou ainda as sucessivas e impunes agressões de Slimani a vários adversários, em várias jornadas.

Porém, as vendas proporcionadas pela gritaria do bando de Alvalade parecem tocar fundo no coração de editores e directores de jornais – que não olham a esforços no momento de dar destaque a casos, ou pseudo-casos, em que o Sporting se diz prejudicado. Fazem-no de uma forma insultuosa para com o rigor e a independência. Gozam com os leitores.

A primeira página do jornal “A Bola” do passado domingo poderia muito bem ser a do jornal “Sporting”, tal o modo parcial como tratava uma questão de arbitragem. Fosse uma final europeia entre Sevilha e Benfica, e nem o patriotismo os levaria a tanto.

No “Record”, já nos habituáramos à tonalidade esverdeada. A coisa agora disseminou-se.

Podem continuar. Não só não nos enganam, como perdem o nosso respeito.