30/03/16

UMA FINAL

Depois de uma incompreensível pausa para jogos amigáveis das selecções – porque não antecipar o fim de época numa semana, ao invés de a interromper na sua fase mais quente, numa espécie de anti-climax que não agrada a um único adepto de futebol? -, regressa o campeonato. E regressa com mais uma final, esta diante de um adversário que está a realizar uma temporada fantástica, com aspirações em quatro frentes distintas. Há mesmo quem diga que este será o jogo mais difícil que o Benfica tem pela frente na sua caminhada rumo ao 35º.
Além da qualidade do adversário – equipa com experiência de grandes momentos, que dificilmente se impressionará perante as 65 mil pessoas que se esperam na Luz -, e além de esta partida chegar na sequência da referida pausa, com desgaste de viagens, com diferentes metodologias de treino, com dispersão mental face aos objectivos, haverá também que combater todos os pensamentos, palavras, actos e omissões que remetam para compromisso seguinte, o de Munique. Não podem jogar-se dois jogos ao mesmo tempo, e independentemente do prestígio internacional que uns quartos-de-final da Liga dos Campeões conferem, ninguém (jogadores, técnicos, dirigentes e adeptos) pode esquecer, por um momento que seja, que o grande desígnio da época é o Tri-Campeonato, e que a caminhada para o atingir não permite o mais ínfimo percalço.

Nestas circunstâncias, dizer que o Benfica-Braga se trata de uma final, não é conversa fiada. Tendo em conta que um empate pode significar a perda da liderança, e a dependência de terceiros, o que hoje teremos na Luz é mesmo uma verdadeira Final. 

21/03/16

OS INÁCIOS

Há quem seja Inácio de nome. Mas há também quem não consiga ser outra coisa. São os que não passam de…inácios.
Mas o que é ser inácio?
Ser inácio é acusar mais de uma dezena de pessoas de conspirar contra o Sporting, metendo no pacote dirigentes, comentadores, empresários, adeptos e jornalistas, como se todos pudessem ser tomados pelo mesmo critério de clubismo, e como se não fosse o acusador o primeiro a conspirar semanalmente contra o Benfica, inventando e mentindo sem limites nem pudor.
Ser inácio é insistir na ausência de penáltis contra o Benfica, omitindo que o Sporting tem a seu favor, neste campeonato, mais penáltis do que Benfica e FC Porto juntos.
Ser inácio é teimar na inexistência de expulsões de jogadores encarnados, esquecendo que o Sporting já leva 126 minutos de superioridade numérica, ao passo que nem Benfica, nem FC Porto, tiveram ainda o privilégio de jogar contra dez. As estatísticas são como a água benta: cada um toma a que quer.
Ser inácio é falar de guerra de palavras, quando de um lado se ouvem, e lêem, berros de rancor, azia e ódio, e do outro se mantém o silêncio.
Ser inácio é confundir declarações de comentadores, ou funcionários de um clube, com as de um presidente - que implicam responsabilização institucional distinta.
Ser inácio é fazer reparos à folha salarial do Benfica, quando a do Sporting (seguindo a linha remuneratória do próprio presidente) quase duplicou em menos de um ano.
Ser inácio é achar que vale tudo, é incendiar o país desportivo, é caluniar, é vender a dignidade.

Mas, enfim, há que dar desconto. Afinal, os inácios não passam de… inácios.

17/03/16

PRIORIDADES

No momento em que o estimado leitor puder ler estas páginas, provavelmente já conhecerá o adversário do Benfica nos quartos-de-final da Champions League. Já saberá, pois, se o “Glorioso” tem poucas, muito poucas, ou quase nenhumas hipóteses de seguir em frente. Numa perspectiva pragmática, é esse o naipe de possibilidades que esta fase da competição nos coloca, dada a colossal capacidade financeira e desportiva das forças em presença.
O sonho é legítimo, mas a realidade diz-nos que as obrigações externas do nosso Clube já estão, nesta temporada, amplamente cumpridas. Daqui em diante, há que desfrutar, sem dramas, e sem pressões que não sejam as de dignificar a camisola e preservar o prestígio internacional que Eusébio e seus pares nos legaram.
Paralelamente, temos um Campeonato ao rubro e uma liderança presa por um cabelo – a qual, precisamos de manter até ao fim, custe o que custar. Bela Guttmann dizia que o futebol português não tinha rabo para duas cadeiras. E por essa Europa fora é já bem conhecido o chamado “Vírus Champions”, que subtrai pontos nas ligas nacionais, quer nas vésperas, quer no rescaldo dos grandes jogos europeus. As explicações não vêm ao caso, mas não são do domínio da coincidência.

Temos pois que analisar friamente o que queremos, o que podemos alcançar, e qual a melhor forma de o conseguir. Este Campeonato é, por múltiplos motivos, tremendamente importante para o Benfica. Porventura o mais importante da última década. É na sua conquista que tem de estar o foco de todos os profissionais da casa. Terá de ser essa a nossa prioridade absoluta. O resto se verá.

07/03/16

REGRESSO À NORMALIDADE

Com o triunfo de Alvalade o Benfica voltou ao seu lugar: o primeiro.
Nada está ganho. Nada está garantido. Mas olhando de cima para baixo, vê-se tudo mais nítido, e respira-se um ar diferente. Um ar que nos é familiar.
Conforme se esperava, os comentários do pós-jogo foram deliciosos. Que jogámos como equipa pequena, que só defendemos, que não merecíamos vencer. Enfim… litros de azia e mau perder, que só nos fazem rir.
A verdade é que o Benfica entrou no dérbi autoritário, e dominou os primeiros minutos, até marcar. Uma vez em vantagem, adoptou uma estratégia de contenção, cedendo a iniciativa e a posse de bola. Controlou alguns dos pontos fortes do adversário (Slimani pouco se viu), e foi levando a água ao moinho. Ganhou com justiça, e também com a dose de sorte que alimenta os campeões. Com a sorte que havia faltado, por exemplo, no jogo com o FC Porto. Houve eficácia, houve maturidade, houve solidariedade, e houve, sobretudo, humildade. Quatro predicados de campeão. Do outro lado notou-se ansiedade a mais para tanta presunção.
Agora, começa um novo campeonato. Um campeonato de 9 jornadas, no qual não há margem de erro, mas para o qual partimos com a moral em alta.

A euforia entre os adeptos é saudável. Afinal, o futebol serve para nos proporcionar momentos como estes, e temos o direito de os viver sem espartilhos. Esse clima não pode é entrar pela porta do balneário, onde os profissionais terão de estar cientes do longo itinerário que ainda falta percorrer. Estou seguro de que saberão interpretar devidamente esta vitória. O caminho para o 35º não terminou aqui. Começou aqui.

03/03/16

ELES TÊM MEDO

Eles queimaram milhões com um treinador, correm o risco de não ganhar nada.
Eles precisavam de ir à Champions, não passaram das qualificações.
Eles sonhavam chegar à final da Liga Europa, foram sumariamente eliminados.
Eles estão em 37º lugar do ranking da UEFA, nós seguimos em 6º, e continuamos a escrever história.
Eles ambicionavam voltar a triunfar no Jamor, caíram em Braga.
Eles queriam finalmente conquistar a Taça da Liga, foram humilhados por uma equipa da 2ª divisão.
Eles tiveram oito pontos de avanço no campeonato, já só têm um.
Eles apenas nos ganharam dois jogos em Alvalade, na última década, para o campeonato. Nós vencemos lá três.
Eles não festejam o título há 14 anos. Nós somos Bi-Campeões, e lutamos pelo Tri.
Eles derrotaram-nos três vezes na fase inicial da temporada, mas em cada uma delas ficou um penálti por marcar a nosso favor. Nós não o esquecemos.
Eles sabem que estamos melhor, que somos melhores, que somos mais fortes. Eles sabem que somos Benfica.
Eles estão aterrorizados. Estão cheios de medo de nós.
Estão cheios de medo que lhes tiremos da mão o único pássaro que ainda lhes resta. Jogam aqui a vida. Jogam o futuro. Jogam tudo.
Estão cheios de medo de que sejamos nós a rir por último, depois de tanta gritaria e fanfarronice.
Estão cheios de medo de que sejamos nós a vencer uma vez mais o campeonato.
Tremem só de nos imaginar Tri-Campeões. E sabem que, ganhando este dérbi, ninguém mais nos irá parar rumo ao 35º. Tremendo, vão cometer erros. Resta-nos aproveitar.
Vamos mostrar-lhes quem manda. Vamos calá-los. Vamos ajoelhá-los aos pés do Campeão.

Benfica, dá-me o 35!