26/04/16

AI QUE SORTE!

É uma sorte.
É uma sorte ter avançados com a categoria de Raul Jimenez, Jonas ou Mitroglou, que resolvem jogos com precisão de matador, nos momentos mais delicados. É uma sorte ter jovens como Ederson, Nelson Semedo, Lindelof, Renato Sanches ou Gonçalo Guedes, os quais há um ano atrás ninguém imaginava como presumíveis titulares do Benfica e jogadores de selecção. É uma sorte ter figuras do nível de Luisão ou Salvio, que se sentam no banco com o mesmo profissionalismo que sempre revelaram em campo. É uma sorte ter um plantel em que as ausências são colmatadas por jogadores de igual valia, com os quais o colectivo em nada se ressente. É uma sorte ter uma equipa unida e solidária, que entra em campo com humildade e sem qualquer laivo de sobranceria, disputando cada lance como se fosse o último. É uma sorte ter a melhor média de golos por jogo dos últimos 32 anos. É uma sorte ter o melhor ataque e o melhor marcador do campeonato. É uma sorte ter como treinador um homem competente e civilizado, que responde com vitórias às reiteradas provocações que lhe chegam do exterior. É uma sorte ter uma estrutura administrativa e logística na qual nada falta, e a qual representa uma importante mola no rendimento dos atletas. É uma sorte ter um presidente que está sempre ao lado da equipa, nos bons e nos maus momentos, e que não usa facebooks para insultar, pressionar ou coagir ninguém. É uma sorte ter uma massa adepta que enche estádios de norte a sul do país, com uma paixão inigualável, e um apoio frenético que empurra a equipa para a frente.

É mesmo uma sorte. É uma sorte ser do Benfica!

20/04/16

ARBITRAGEM 2015-16







(clique nos quadros para aumentar)



BALANÇO (classificação real à 30ª j):

1º BENFICA 73 pts (beneficiado em 3 pts)
2ª Sporting     70 pts (beneficiado em 4 pts)
  3º Porto         63 pts (prejudicado em 1 pt)   

19/04/16

MAIS DO QUE UM JOGO

Faltam quatro.
Apenas quatro jornadas para o fim de um dos campeonatos mais empolgantes dos últimos anos, e, provavelmente, o mais importante da última década.
Cada jogo é uma “final”, como há muito afirma Rui Vitória. Mas a “final” deste domingo é especial, e pode definir muito mais do que os três pontos em disputa. Pode muito bem ser a verdadeira “final”. O momento chave na decisão do título. O Cabo da Boa Esperança na rota para o Marquês.
O Rio Ave está em 5º lugar, a lutar arduamente por uma vaga na Liga Europa (os adversários seguintes estão do 10º lugar para baixo, e já sem objectivos). O estádio do Rio Ave é difícil, e tradicionalmente problemático para o Benfica (ainda na época passada lá perdemos). O Rio Ave tem uma equipa muito coesa, onde pontuam jogadores emprestados pelos nossos rivais. O treinador, excelente diga-se, é também ele um antigo jogador do Sporting, valha isso o que valer. A equipa vila-condense apresenta-se praticamente na máxima força (apenas Roderick não jogará). Esta jornada antecede um FC Porto-Sporting, cuja abordagem em muito depende do que se vier a passar em Vila do Conde.
Não são precisos mais condimentos para olharmos para a partida de domingo como uma das mais importantes da temporada.
O jogo com o V.Setúbal evidenciou algum desgaste da nossa equipa. Após tão exigente compromisso europeu, não seria de esperar outra coisa. Felizmente, chegou para vencer.

Agora, com uma semana de repouso, teremos de entrar “a matar” no Estádio dos Arcos, como se de cada lance dependesse toda uma vida. Só assim podemos trazer a vitória. Só assim chegaremos ao 35º.

12/04/16

DE OLHOS BEM ABERTOS

Na jornada anterior, o Sporting jogava no Restelo. Nas vésperas da partida, o conflito entre o clube e a SAD do Belenenses agudizou-se. Foi cortada a luz e a água no estádio. Houve jogadores impossibilitados de prosseguir planos de recuperação. O treinador foi impedido de preparar o jogo. A equipa de Belém, mesmo sem Tonel, apresentou-se bastante abaixo das suas potencialidades. O Sporting venceu facilmente.
No último fim-de-semana o Sporting jogava com o Marítimo. Nas vésperas da partida verificaram-se agressões entre jogadores num treino dos insulares. Alguns foram suspensos e não estiveram em Alvalade. A equipa madeirense apresentou-se desfalcada. O Sporting venceu facilmente.
O próximo adversário dos leões é o Moreirense. Nesta última jornada, um conjunto de cartões amarelos cirúrgicos afastou vários titulares da equipa minhota. Também não jogarão os emprestados e os lesionados. Teremos um Sub-Moreirense neste sábado. O Sporting vai certamente vencer sem dificuldades.
Entretanto Slimani foi ilibado de uma agressão que todo o país viu.
É necessário que tomemos atenção a todas estas coincidências. A estrutura sportinguista tenta passar a mensagem de que o clube só não ganhou títulos nas últimas décadas devido a práticas subterrâneas dos seus rivais. E o corolário dessa teoria é achar-se legitimado a usar todos os meios, lícitos e ilícitos, éticos e não éticos, por cima e por baixo das mesas, para ganhar este campeonato – do qual depende muito do seu futuro próximo.

Já vimos isto no passado, com outros protagonistas. Não podemos voltar a cometer o erro de achar que não é connosco.

TANTO PARA VENCER

1)      Escrevo estas linhas antes de conhecer o resultado do jogo de Munique. Porém, o que quer que tenha acontecido na Baviera, não desviará o Benfica, os seus profissionais, os seus dirigentes, e os seus adeptos, do grande desígnio da temporada: a conquista do 35º campeonato. Nesse sentido, o jogo grande da semana é em Coimbra, e é esse que estamos obrigados a vencer. Aliás, tenho a convicção de que, ganhando as próximas três partidas (Académica, V.Setúbal e Rio Ave), o título dificilmente nos fugirá.
2)      O Andebol encarnado está a superar todas as expectativas. Quem diria, há um mês atrás, que teríamos a Taça de Portugal nas mãos, que estaríamos nas meias-finais da prova europeia, e que levaríamos uma vantagem de 2-0 diante do hepta-campeão FC Porto na meia-final do playoff? É verdade que as últimas vitórias foram obtidas nos prolongamentos, e arrancadas dramaticamente nos últimos segundos dos jogos. Mas a força competitiva destes jogadores ficou já amplamente demonstrada. Vamos acreditar que a saga não fica por aqui.

3)      Com a passagem do Hóquei à final-four da Liga Europeia (que bom seria poder ser na Luz…), garantimos desde já, pelo menos, quatro meias-finais de provas internacionais nas nossas modalidades nesta época. Para além do Hóquei, o Voleibol chegou às meias-finais da Challenge Cup, o Futsal está nas meias-finais da Uefa Cup, e o Andebol nas meias-finais da sua Challenge Cup. Teremos ainda o Atletismo a disputar a Taça dos Campeões da Pista. Entre tantas frentes, é lícito esperar que pingue um título. Isto sim, é uma verdadeira potência desportiva. A única em Portugal.