27/05/16

ILUSTRAÇÃO

A conclusão do texto anterior poderá ser ilustrada pelo quadro seguinte:

Ao qual acrescentaria:

- Duas finais europeias, e recuperação no ranking da Uefa, desde o 91º lugar até ao 6º actual.
- Múltiplos títulos nas modalidades, entre os quais 2 Ligas Europeias, 1 Taça Cers, 2 Taças Continentais e 1 Taça Intercontinental no Hóquei; 1 Uefa Cup no Futsal; finais europeias inéditas no Andebol e no Voleibol.
- Construção do Estádio, do Centro de Estágio, de dois pavilhões, de piscinas, do Museu Cosme Damião.
- Criação de BTV, da revista Mística, rejuvenescimento do Jornal.
- Aumento recorde do número de sócios.
- Expansão das Casas do Benfica.
- Captação recorde de receitas com patrocínios.
- Profissionalização da gestão, e total reestruturação do clube, que, em 2001, estava falido, desorganizado e desacreditado. 




25/05/16

UM POR TODOS

Seria fácil dizer agora que sempre acreditei. Que, também eu, era um entusiasta da aposta na formação. Que vira com bons olhos a substituição de um treinador campeão. Que olhara sem desconfianças para uma alteração de paradigma, justamente quando começávamos a vencer com regularidade.
Estaria a mentir.
Na verdade, foi com bastante cepticismo que encarei as mudanças do Verão passado. E quando, a poucos dias do Natal, estávamos a 7 pontos do Sporting, e a 5 do FC Porto, não apostaria um fósforo na possibilidade do Tri. Não fosse uma carreira europeia prometedora, e dava, nessa altura, a época como morta.
Nada melhor do que ser desmentido pelos factos quando estes superam as nossas melhores expectativas. E este Benfica superou tudo aquilo que eu perspectivara.
Na altura, muitos pensavam como eu. Mas houve um (aquele que interessava, aquele que decidia) que se manteve absolutamente fiel às suas convicções. Que, com grande coragem, insistiu no caminho que sabia ser o melhor para o Clube.
Este título é de muita gente. É de um técnico que, para além de enorme competência, soube manter uma atitude que nos orgulha. É de todos os benfiquistas, mesmo daqueles que, como eu, tinham poucas certezas quanto à forma de lá chegar. Mas este título é, sobretudo, de Luís Filipe Vieira.
O nosso presidente apostou forte. Arriscou muito. E, seguindo a sua convicção, venceu em toda a linha.

A obra feita no Benfica já falava por si. Este campeonato, a forma como foi ganho, e tudo aquilo que nos mostrou, tornou óbvia uma certeza: Vieira é o presidente mais marcante dos 112 anos de história do nosso Clube.

17/05/16

ARBITRAGENS 2015-16

ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS

Grandes Penalidades a favor:
SPORTING-11
Benfica - 7
FC Porto - 5

Grandes Penalidades contra:
SPORTING - 5
Benfica - 1
FC Porto - 1

Grandes Penalidades decisivas a favor:
SPORTING - 5
FC Porto - 3
Benfica - 2

Grandes Penalidades decisivas contra:
SPORTING - 2
FC Porto - 1
Benfica - 0

Cartões Vermelhos:
SPORTING - 4
FC Porto - 3
Benfica - 2

Cartões Vermelhos a adversários:
SPORTING - 7
Benfica - 4
FC Porto - 0

Minutos em superioridade numérica:
SPORTING - 212
Benfica - 4
FC Porto - 0

Minutos em inferioridade numérica:
BENFICA - 53
Sporting - 48
FC Porto - 17

Benefício em pontos por erros grosseiros de arbitragem:
SPORTING - 6
Benfica - 4
FC Porto - 3

Prejuízo de pontos por erros grosseiros de arbitragem:
BENFICA - 3
Sporting - 2
FC Porto - 2

CLASSIFICAÇÃO REAL:

BENFICA (88-4+3) = 87
Sporting (86-6+2) = 82
FC Porto (73-3+2) = 72


JOGO A JOGO




AGRADECIMENTOS

Ao presidente do Sporting, e a toda a comunicação social que o tolerou, promoveu, e cuja estratégia de ódio, guerrilha e conflito permanente branqueou – como, de resto, no passado, havia feito com outro protagonista.
Aos seus mais fiéis acólitos que, na cegueira anti-benfiquista, apoiaram e interpretaram essa estratégia.
Ao milionário treinador do Sporting, e a toda a sua pesporrência, ingratidão, e mau perder, que ora nos dá pena, ora nos faz rir.
Aos inácios televisivos, e às repetidas mentiras, insinuações e provocações - desde uma campanha sórdida e racista visando Renato Sanches, a aspectos risíveis como a calendarização dos jogos - com que tentaram sistematicamente desestabilizar e descredibilizar o Benfica.
A Norton de Matos, Nelo Vingada e Sérgio Conceição, pelo modo singular como abordaram algumas partidas do campeonato, abrindo uma perturbadora caixa de pandora, de efeitos imprevisíveis para a verdade do futebol português.
Aos conselhos de justiça e de disciplina da FPF, pela impunidade, patetice e esperteza saloia com que lidaram com as agressões de Slimani.
A todos eles os meus agradecimentos.

Aos jogadores, técnicos, dirigentes e restante estrutura profissional do SL Benfica, agradeço vivamente a conquista de mais um campeonato, o 35º da nossa história. Mas aos anteriormente mencionados tenho de agradecer por terem transformado essa conquista na maior alegria desportiva da minha vida.

11/05/16

SÓ MAIS UMA !

Estamos a um jogo, a uma vitória, a uma final, de poder soltar o grito que há meses nos atravessa a garganta, e nos entope a alma.
Falta pouco. Muito pouco. Mas esse pouco parece tudo, olhando àquilo que se tem passado nestas últimas semanas.
Como se não bastassem malas e maletas, no Funchal apareceram também apitos e cartões. Tiraram-nos um penálti. Tiraram-nos um jogador. Tudo tem servido para nos condicionar, tudo tem servido para nos perturbar, e tentar desviar da rota do ”Tri-Campeonato”. Fomos fortes. Muito fortes. Ultrapassámos todos os obstáculos. Os naturais e os outros. Ficámos mais perto da glória.
Agora faltam noventa minutos. Noventa longos e sofridos minutos, durante os quais teremos de estar preparados para as mais diversas condicionantes – à semelhança do que tem vindo a ser regra, designadamente desde que, ganhando em Alvalade, metemos um pauzinho numa engrenagem que alguns achavam já montada.
Resistiremos a tudo. Resistiremos a todos. Quem chegou aqui, não vai parar às portas do sonho. Seremos onze irmãos em campo, 65 mil nas bancadas, e milhões a torcer por fora. Mais do que um país, seremos um mundo. Um mundo a gritar 35!
Acredito num domingo lindo, que nos conduza aos céus. Acredito no trabalho sério, na humildade, na honestidade, na união, no fair-play, no civismo. Acredito que as metodologias do passado serão vigorosamente derrotadas em campo, pois é também contra elas, e em nome do desporto e da paixão que o alimenta, que este Benfica terá de jogar.
Também por isso, a justiça vai premiar-nos. Também por isso, vamos vencer!

Força Benfica! É só mais uma!

02/05/16

JOGO SUJO

Houve o corte de electricidade no Restelo, a zaragata entre jogadores do Marítimo, e os vários indisponíveis do Moreirense, antes das partidas com o Sporting. A poupança de titulares do União em Alvalade, mesmo precisando de pontos. A exibição simpática do Arouca. As lágrimas do Setúbal. O penálti de Tonel. Mas se eram necessárias mais evidências de que algo de estranho se passa no nosso campeonato, esta jornada trouxe-as. E nem falo de penáltis por assinalar - que também houve.
Vejo futebol há mais de 40 anos, e não me recordo de uma equipa sem aspirações fazer o anti-jogo que o Guimarães fez na Luz ao longo da primeira parte. Não esperava, nem queria, facilidades. Mas esperava um adversário a jogar futebol. O que se viu foi a triste cena de onze almas (mais umas quantas no banco) desesperadas para retirar pontos ao Benfica, não hesitando em recorrer a simulações, provocações, quebras de ritmo, e a uma agressividade muito acima do normal. Até mudaram de táctica, testando-a propositadamente na jornada anterior, à custa de um empate em casa.
Na Amoreira, um Marítimo também com classificação definida, entrou em campo sem cinco jogadores que tinha em risco de suspensão, poupando-os para a próxima jornada, cedendo pontos que, teoricamente, até lhe seriam mais acessíveis. Porquê? Segundo o treinador, para preparar a próxima época.
Podemos juntar as declarações do presidente do FC Porto, que deixaram claro porque motivo não seria de esperar um desfecho diferente no Clássico.
Os factos falam por si. Não podemos fingir que não vemos. A porcaria está a regressar em força ao futebol português. E, se nada fizermos, vem para ficar.